Repositório Institucional UNICID Campus Tatuapé Dissertações Mestrado Acadêmico em Educação
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.cruzeirodosul.edu.br/jspui/handle/123456789/159
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorAuricchio, Rosana-
dc.date.accessioned2019-10-25T20:41:49Z-
dc.date.available2019-10-25T20:41:49Z-
dc.date.issued2012-05-23-
dc.identifier.citationAURICCHIO, Rosana. A presença dos contos de fadas nos processos formativos das professoras de educação infantil. Orientador: Julio Gomes Almeida. 2012. 326f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Cidade de São Paulo. 2012.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.cruzeirodosul.edu.br/handle/123456789/159-
dc.description.abstractThis research had as its object of study, the presence of fairy tales in the formative processes of the teachers of an Early Childhood Center in the Municipality of São Paulo. The objective was to understand how fairy tales were manifested in the practices and discourse of these teachers. The reason for this research relates to my work as a teacher who works in an Early Childhood Center, concerned with how and with what is offered to young children in terms of stories. For the research I opted for a qualitative approach to data collection procedure used to analyze literature and documents supplemented by reports from my own experience and from colleagues who work as teachers in Early Childhood Center Captain Mario Caldana in training meetings, about the presence of fairy tales in their life stories and professional performance. I realized through research that the term means different fairy tales stories, among which emerged as part of the formative process of the teachers stood out beyond the fairy tales, the "stories", the biblical stories, folk tales, etc. Furthermore, it was revealed that many of the stories worked in schools, are adaptations made by the cultural industry, chosen more for ease of access than as a result of a pedagogical discussion.pt_BR
dc.description.sponsorshipAgência 1pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Cidade de São Paulopt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectNarração de históriaspt_BR
dc.subjectContador de históriaspt_BR
dc.subjectFormação de professorespt_BR
dc.subjectTrajetória de vidapt_BR
dc.subjectStories, fairy talespt_BR
dc.subjectStories of lifept_BR
dc.subjectTeacher trainingpt_BR
dc.titleA presença dos contos de fadas nos processos formativos das professoras de educação infantilpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.creator.ID02210766893pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/8495729964464269pt_BR
dc.contributor.advisor1Almeida, Julio Gomes-
dc.contributor.advisor1ID94487204904pt_BR
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/2354972256571417pt_BR
dc.description.resumoEsta pesquisa teve como objeto de estudo a presença dos contos de fadas nos processos formativos das professoras de um Centro de Educação Infantil da rede municipal de São Paulo. O objetivo foi compreender como os contos de fadas se manifestaram nas práticas e nos discursos destas professoras. O motivo para a realização desta pesquisa relaciona-se com minha atividade enquanto professora que atua em um Centro de Educação Infantil, preocupada com o como e com o que se oferece às crianças pequenas em termos de histórias. Para a realização da pesquisa optei pela abordagem qualitativa e como procedimento de coleta de dados utilizei a análise bibliográfica e documental complementada pelo relato da minha própria experiência e de colegas que atuam como professoras no Centro de Educação Infantil Capitão Mário Caldana, nos encontros de formação, sobre a presença dos contos de fadas em suas histórias de vida e atuação profissional. Percebi com a pesquisa que a expressão contos de fadas designa diferentes narrativas, entre as que emergiram na pesquisa como parte dos processos formativos das professoras destacaram-se além dos contos de fadas, os “causos”, as historias bíblicas, os contos folclóricos, etc. Além disso, foi possível perceber que muitas das narrativas trabalhadas nas escolas, são adaptações feitas pela indústria cultural, escolhidas mais pela facilidade de acesso do que como resultado de uma discussão pedagógica.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentDepartamento 1pt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação Mestrado em Educaçãopt_BR
dc.publisher.initialsUNICIDpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO::ENSINO-APRENDIZAGEM::METODOS E TECNICAS DE ENSINOpt_BR
dc.relation.referencesADORNO, T e HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985. ALLIAUD, A., ANTELO, E. Los Gajes del Oficio: Enseñanza, pedagogia y formación. 1. ed. – Buenos Aires, Argentina: Aique Grupo Editor, 2009. ALMEIDA, F.L. Contos de Perrault. São Paulo: Editora Ática, 2006. ALMEIDA, J.G. Práticas Institucionais e Formação de Educadores: o Universo da Escola como Ambiente de Aprendizagem Coletiva. Notandum, 17 jul-dez, 2008 ESDC/ CEMOrOC –Feusp/ IJI – Universidade do Porto _____________. O bom da escola era o caminho. In BENZATTI, A.L. NHOQUE, J.R. e ALMEIDA, J.G. (Orgs.) Historias de vida: quando falam os professores. São Paulo: Scortecci, 2008. BAUER, M.; GASKELL, G. Pesquisa com texto, imagem e som. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 2003. BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1984/1985. ______________. A obra de arte. In: Textos escolhidos/ trad. De José Lin Grünnewald, et al. 2. Ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983 (Os Pensadores). COHN, Gabriel (org.). Comunicação e indústria cultural. 4.ed., São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1978. BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Tradução: Arlene Caetano. São Paulo: Paz e Terra, 2009. 23ª ed. revista. BRANDÃO, S.R. Trabalho Biográfico e a Constituição da Identidade Docente no Contexto Contemporâneo. Notandum. 12, 2009. BRITO,P. Revista Pedagógica – Creche. Editora On line, 2011. CANÁRIO, R. Prefácio In Porque escrever é fazer historia. Campinas, SP: Graf. FE. 2005. CANDAU, Vera Maria. Pluralismo cultural, cotidiano escolar e formação de professores. In Candau, Vera Maria (org.). Magistério: Construção Cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1997. CASCUDO, L.C. História do Rio Grande do Norte. Serviço de Documentação do MEC. 2.ed. Rio de Janeiro: ACHIAMÉ, 1955; Natal: Fundação José Augusto, 1984. ___________. História da República no Rio Grande do Norte. Rio de Janeiro: Ed. do Val, 1965. ______________. Folclore do Brasil (pesquisas e notas). Rio de Janeiro, São Paulo, Fundo de Cultura, 1967. CIPRIANI, R. Biografia e cultura: da religião à política. In: SINSON, O.M.V. (org.) Experimentos com historia de vida (Itália – Brasil). São Paulo: Vértice, 1988. COELHO, Nelly Novaes. Panorama histórico da literatura infanto juvenil. São Paulo: Quíron, 1985. __________. O Conto de fadas. 2.ed. São Paulo: Editora Ática, 1991 – 2001- 2009. Série Princípios. COSTA, A.C.S; PALHETA, A.N.A.A., MENDES, A.M.P. e LOUREIRO, A. S. Indústria Cultural: Revisando Adorno e Horkheimer. Movendo Ideias – Artigos, v. 8, n. 13, p. 13-22. Pará: Belém, 2003. DOMINICÉ, P. A formação de adultos confrontada pelo imperativo biográfico. Educação e Pesquisa. São Paulo, v.32, n.2, Maio/Agosto, 2006. ___________. L’histoire de vie comme processos de formation. Paris: Éditions L’Harmattan, 1990. ECO, U. Obra Aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. São Paulo: Perspectiva, 2005. Estatuto da Criança e do Adolescente, 1988. FARIA, A. L. G. de. Educação pré-escolar e cultura: para uma pedagogia da educação infantil. São Paulo: Cortez, 1999. FERRY, G. Pedagogia de la formacion. Buenos Aires: Centro de Publicaciones Educativas y Material Didáctico, 2004. FORTUNATO, I. Caminhos de Fortuna. 1ª. ed. São Paulo: Edição do Autor, 2008. FRANZ, M.L., A Interpretação dos Contos de Fada. 7.ed. São Paulo: Editora Paulus, 2008. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2008. Coleção Leitura. ______________.Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999. ______________. A importância do ato de ler. 23.ed. São Paulo: Cortez, 1989. Coleção polêmica do nosso tempo. ______________.Pedagogia da esperança: um encontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. FURLANETTO, E.C. Matrizes Pedagógicas e formação de professores: um olhar sobre as histórias. In BENZATTI, A.L. NHOQUE, J.R. e ALMEIDA, J.G. (Orgs.) Historias de vida: quando falam os professores. São Paulo: Scortecci, 2008. ______________ . Como nasce um professor? 4ª ed. São Paulo: Paulus, 2007. Questões Fundamentais da Educação. GAGLIARDI, Eliana; AMARAL, Heloisa. Trabalhando com os gêneros do discurso: narrar conto de fadas. São Paulo: FTD, 2001. GAULEJAC, V. La socioclinique: roman familial et trajectoire soaiale”. In Les histoires de vie. Paris: L’Harmattan, 1989. GATTI, Bernardete Angelina. Grupo focal na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília: Líber Livro Editora, 2005. Série Pesquisa em Educação. _______. A construção da Pesquisa em Educação no Brasil. Brasília: Líber Livro Editora, 2007. Série Pesquisa. GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer uma pesquisa qualitativa em ciências sociais. 6.ed. São Paulo: Record, 2002. GÓMEZ, A.P. O pensamento prático do professor. A formação do professor como profissional reflexivo. In: Nóvoa, A. (org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995. GONÇALVES, A.C.C. Madrastas do conto de fadas para a vida real. São Paulo: Iglu Editora, 1998. GOODE, William J.; HATT, Paulo K. Métodos em pesquisa social. São Paulo: Nacional, 1969. Capítulo 13. GUILHERME, P; FERREIRA, G. Boletim Informativo - ADI Magistério. Ano 2, n.9. São Paulo, 2004. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva, Guaraeira Lopes Louro, 11ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. HUMEREZ, D.C. Historia de vida: instrumento para captação de dados na pesquisa qualitativa. Acta Paul. Enf. São Paulo, v.1, n.2, 1998. JOSSO, M.C. Os relatos de historias de vida como desvelamento dos desafios existenciais de formação e do conhecimento: destinos sócio culturais e projetos de vida programados na invenção de si. In SOUZA. E.C. e ABRAHÃO, M.H. (org.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS, Salvador: EDUNEB, 2006. _________. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004. _________. A transformação de si a partir da narração de histórias de vida. Educação. Porto Alegre, ano XXX, n.3, (63), p. 413-438, set/dez, 2007. ___________. As histórias de vida como territórios simbólicos nos quais se exploram e se descobrem formas e sentidos múltiplos de uma existencialidade evolutiva singular-plural. In: PASSEGGI, M. da Conceição (org.). Tendências da pesquisa (auto)biográfica. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2008, p. 23-50. JUNG, C.G. Os arquétipos e o inconsciente. Tradução Maria Luíza Appy e Dora M.R.F. da Silva. 2.ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2002. JUNIOR, H.A.S. Walter Benjamin e a Dimensão Política da Indústria Cultural. Trabalho apresentado no III ENECULT – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Bahia: Salvador, 2007. KISHIMOTO, Tizuko Morchida. A Pré-Escola em São Paulo (1877-1940). São Paulo: Edições Loyola, 1988. ____________. Educação Infantil Integrando Pré-escola e Creches na busca de socialização da criança. In: Vidal, Diana G. HILSDORF, Maria L. Spedo. Brasil 500 Anos: tópicos em História da Educação. São Paulo: Ed. da USP, 2001. KITZINGER, Jenny. The methodology of focus groups: the importance of interaction between research participants. Sociology of Healt and Illness, v.16, n. 1, 1994. KRAMER, Sonia. A política do pré-escolar no Brasil: arte do disfarce. Rio de Janeiro: Achimé, 1982. _________. Privação cultural educação compensatória: análise crítica. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: nº 42, pp.54-62. Ago., 1982. KRUEGER, R. A.; CASEY, M. A. Focus group: a practical guide for applies research. 3. ed. London: sage Publications, 2000. KUHLMANN Jr., M. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998. LOBATO, J.B. América: Os Estados Unidos 1929. Editora Brasiliense Ltda, 1948, p.111. LOPES, M.R.C. Infância e Educação Infantil. 2.ed. Campinas, SP: Papirus, 2002. Coleção Prática Pedagógica. MACIOTI, M.I. Vida cotidiana. In: SINSON, O.M.V. (org.) Experimentos com historia de vida (Itália – Brasil). São Paulo: Vértice, 1988. MAFFESOLI, M. A conquista do presente. Tradução de Alípio de Souza Filho. Natal (RN): Argos, 2001. MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia Cientifica. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2009. MEIRELES,C. Problemas da Literatura Infantil. São Paulo: Summus, 2003. MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). 21.ed. Pesquisa social: teoria, métodos e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1993. MOITA, M.C. Percursos de Formação e de Trans-Formação. In: NÓVOA, António (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 2000. Coleção Ciência da Educação. MORIN, Edgard. O Cinema ou o homem imaginário.1.ed. São Paulo: Ed. Relógio D´água, 1997. ______________. Mes démons. Paris: Stock, 1994. p.176-189: Uma experiência intelectual. NÓVOA, António (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 2000. Coleção Ciência da Educação. NUNES, Maria Fernanda Rezende e PEREIRA, Rita Maria Ribes. “Buscando o mito nas malhas da razão: Uma conversa sobre educação e teoria crítica”. In: KRAMER, Sonia e JOBIM E SOUZA, Solange. Historia de professores: Leitura, escrita e pesquisa em educação. São Paulo: Ática, 1996. OLIVEIRA, Z. M. R.; FERREIRA, M. C. R. Propostas para o atendimento em creches no município de São Paulo: histórico de uma realidade – 1986. In: ROSEMBERG, F. (Org.) Creche. São Paulo: Cortez, 1989. p. 28-89. _______________ Creches: Crianças faz de conta & Cia. 10ªEdição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001. PASSEGGI, M.C. (org.). Tendências da pesquisa (auto) biográfica. In: Josso, M.C. As Historias de Vida como Territórios Simbólicos nos quais se exploram e se descobrem formas e sentidos múltiplos de uma Existencialidade Evolutiva Singular – Plural. São Paulo: Paulus, 2008. Coleção Pesquisa (Auto) Biográfica & Educação. PEREIRA, M.V. Traços de fundamentalismo pedagógico na formação de professores. Cadernos de Pesquisa em Educação. PPGE-UFES. Vitória, V.14, n.27, p.179-203, janeiro/junho, 2008. PERES, Lúcia Maria Vaz; MANCINI, Flávia Griep; OLIVEIRA, Valeska Maria Fortes de. Experiências de vida e formação, de Marie-Christine Josso. Resenha. Revista @ambienteeducação. São Paulo, v.2, n.2, p. 152-156, ago./dez. 2009. POWELL, R.A; SINGLE, H.M. Focus groups. Internacional Journal of Quality in Healt Care. v. 8, n. 5, p.449, 1996. PROPP, Wladimir. As raízes históricas do conto maravilhoso. São Paulo: Martins Fontes, 1997. RICHARDSON, Roberto Jarry et al. 3.ed. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999. Capítulos 5 e 6. RIZZO, Gilda. Creche: Organização, Currículo, Montagem e Funcionamento. 2ªEdição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. ROSA, J. G. Grande Sertão Veredas. 1ª ed. São Paulo: Nova Fronteira, 2006. ROSEMBERG, Fúlvia. O movimento de mulheres e a abertura política no Brasil. O Caso da Creche. Cadernos de pesquisa. São Paulo (51), nov. 1984 ______________. Raça e educação inicial. Cadernos de pesquisa. São Paulo (77), maio 1991. SABINO, C. A. El processo de investigación. Buenos Aires: Lúmen – Humanitas, 1996. SCHILLER, F. The Piccolomini. EBook#6786, 2006. SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23.ed. São Paulo: Cortez, 2007. SILVA, J.M. A Autonomia da Escola Pública: A re-humanização da escola. 8ª ed. Campinas, S.P.: Papirus, 2005. Coleção Práxis. ________________. Ser professor, eu? Continuar sendo professor, eu? A resposta é... In: BENZATTI, A.L. NHOQUE, J.R. e ALMEIDA, J.G. (Orgs.) Historias de vida: quando falam os professores. São Paulo: Scortecci, 2008. SOUZA, Elizeu Clementino de. O conhecimento de si: narrativas do itinerário escolar e formação de professores. 344 f. Tese (Doutorado em Educação) Programa de Pós-graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004. _________________. O conhecimento de si: estágio e narrativas de formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A; Salvador: UNEB, 2006. _________________. Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. 1.ed. EDIPUCRS e EDUNEB, 2006. SUASSUNA,A. Auto da compadecida. 35ª ed. São Paulo: Editora Agir, 2005. Ediouro Publicações. TARDIF, M. LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Tradução de João Batista Kreuch. 5. ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. TORRES, Rosa Maria. Melhorar a Qualidade da Educação Básica? As estratégias do Banco Mundial. In: TOMMASI, Livia de. Warde, Miriam Jorge & HADDAD, Sérgio. (Org). O banco Mundial e as Políticas Educacionais. São Paulo: Cortez, 1998. TRIVINÕS, Augusto N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.pt_BR
Aparece nas coleções:Mestrado Acadêmico em Educação

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertacao - Rosana Auricchio.pdfDissertação1.91 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.