Repositório Institucional UNICID Campus Tatuapé Dissertações Mestrado Acadêmico em Educação
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.cruzeirodosul.edu.br/jspui/handle/123456789/216
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorTavares, Arlete de Fátima-
dc.date.accessioned2019-11-18T22:47:22Z-
dc.date.available2010-06-08-
dc.date.available2019-11-18T22:47:22Z-
dc.date.issued2010-06-08-
dc.identifier.citationTAVARES, Arlete de Fátima. Proposta de ciclos: estudo sobre a Escola Sarã de Cuiabá-MT, à luz das políticas públicas de inclusão. 2010. 101 f. Dissertação de Mestrado em Educação São Paulo: Universidade Cidade de São Paulo, 2010.pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.cruzeirodosul.edu.br/handle/123456789/216-
dc.description.abstractThis paper has the objective of studying and understanding the Cycles Approach; verifying whether this approach contributes or not to the effectiveness of the public policies on inclusion, to the improvement of the learning process and to the creation of a gathering room for learning. The interest in the subject matter was born out of the researcher professional experience at the state-owned schools network, in the city of São Paulo-SP, from 1988 to 2000, and later in the city of Cuiabá-MT, from 2004 to 2006. The problems: discomfort experienced by the researcher, caused by the introduction of the Cycles, without having the teachers previously questioned about it or without receiving satisfactory instruction to work on this approach. A number of illiterate students unable neither to solve basic Maths operations nor problem-solving situations in both third and fourth grade (Elementary School). Hypothesis: if the Cycles Approach was well introduced, it could contribute not only to the improvement of the learning process, but also to the constitution of a gathering room where both teacher and student would voluntarily support this approach and, also, it could contemplate the teaching-learning process in a satisfactory manner. Theoretical references: Azanha (2004); Teixeira (1957); Caseiro (2000); Silva (2000; 2006; 2007; 2008), Meneses (2004) among others. Object of study: Escola Sarã de Cuiabá (School). Methodology: it was adopted the qualitative research and, as methodological procedure, documental/bibliographic research and study of the case. The cycles of learning cannot be seen as concluded. The introduction itself is not enough. They must be analyzed, questioned and reformulated, if necessary. To achieve this, it is important to listen to teachers, parents, students, with their suggestions and proposals. It is also fundamental to have the system of education evaluating the students, with the aim of identifying what the advances and aspects are which present difficulties to the reformulation of the Cycles Approachpt_BR
dc.description.sponsorshipAgência 1pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Cidade de São Paulopt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectPolíticas públicas de inclusãopt_BR
dc.subjectEspaço inclusivopt_BR
dc.subjectProposta de ciclospt_BR
dc.subjectDemocratização do ensinopt_BR
dc.subjectAcesso e permanência na escolapt_BR
dc.subjectEscola Sarãpt_BR
dc.titleProposta de ciclos: estudo sobre a Escola Sarã de Cuiabá-MT, à luz das políticas públicas de inclusãopt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.creator.ID12585679896pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/0207650531759123pt_BR
dc.contributor.advisor1Machado, Edileine Vieira-
dc.contributor.advisor1ID11504699866pt_BR
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/0207650531759123pt_BR
dc.description.resumoEste trabalho tem por objetivos estudar e compreender a Proposta de Ciclos; verificar se essa Proposta contribui ou não para a efetivação das políticas públicas de inclusão, para melhorar a aprendizagem e para criação de espaço inclusivo de aprendizagem. O interesse pela temática nasce da experiência profissional da pesquisadora na rede estadual de ensino na cidade de São Paulo, de 1988 a 2000 e, mais tarde, na cidade de Cuiabá-MT, de 2004 a 2006. Problemas: incômodo vivenciado, pela pesquisadora, causado pela implantação dos Ciclos, sem que os professores fossem anteriormente questionados ou recebessem formação satisfatória para trabalhar com esta proposta. Número de alunos que não estavam alfabetizados e não conseguiam realizar operações básicas de Matemática, nem a resolução de situações problemas na terceira e quarta séries do Ensino Fundamental. Hipótese: se a proposta de ciclo fosse bem implantada, poderia contribuir não só para melhorar a aprendizagem, como também para a constituição de um espaço inclusivo onde houvesse adesão voluntária tanto do professor quanto do aluno a essa Proposta e, ainda, que o processo ensino-aprendizagem fosse contemplado de forma satisfatória. Referencial teórico: Azanha (2004); Teixeira (1957); Caseiro (2000); Silva (2000; 2006; 2007; 2008), Meneses (2004) entre outros Objeto de estudo: Escola Sarã de Cuiabá. Metodologia: Adotou-se a pesquisa Qualitativa e, como procedimentos metodológicos, pesquisa documental, bibliográfica e estudo de caso. Os ciclos de aprendizagem não podem ser vistos como concluídos. Apenas a sua implantação não é suficiente. Eles devem ser analisados, questionados e reformulados, se necessário. Para isso, é importante ouvir professores, pais, alunos com suas sugestões e propostas. É também fundamental que o sistema de ensino faça avaliações com os alunos para identificar os avanços e os aspectos em que apresentam dificuldades para que a projeto de ciclos seja reformulado.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentDepartamento 1pt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós Graduação Mestrado Educaçãopt_BR
dc.publisher.initialsUNICIDpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO::CURRICULO::CURRICULOS ESPECIFICOS PARA NIVEIS E TIPOS DE EDUCACAOpt_BR
dc.relation.referencesREFERÊNCIAS ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. São Paulo: Editora Mestre Jou, 1982. AÇÃO EDUCATIVA. Indicadores da qualidade na educação. Ação Educativa, UNICEF, PNUD, Inep, Seb/MEC (coords.). São Paulo: Ação Educativa, 2007, 3ª ed. Ampliada. ALMEIDA JÚNIOR, Antonio Ferreira. Repetência ou promoção automática? Revista Brasileira de estudos pedagógicos, v. 27, n. 65, p.3 – 15. jan./mar. 1957 ANJOS, Márcio Fabri dos. O corpo no espelho da dignidade e da vulnerabilidade. Revista mundo da saúde. São Paulo, v. 30, n.3, p. 325-335, julho/setembro, 2006. ARROYO, Miguel Gonzalez. Ciclos de desenvolvimento humano e formação de educadores. Educação e Sociedade, ano XX, n.º 68, Dezembro/99. AZANHA, José Mario Pires. Planos e políticas de educação no Brasil: alguns pontos para reflexão. Cap. 4. In: Estrutura e Funcionamento da Educação Básica – Leituras. João Gualberto de Carvalho Meneses, et al. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004. AZEVEDO, Janete Maria Lins de. A educação como política pública. Campinas: Editora Autores Associados, 2004. BARRETO, Elba Siqueira de Sá. Fundamentação dos parâmetros para a avaliação do aluno, no final do Ciclo Básico. In: Ciclo Básico. São Paulo, SE/CENP, 1988. _______. A Avaliação na Educação Básica entre dois modelos. Revista educação e sociedade. Campinas, ano XXII, nº 75, agosto/2001. BARRETO, Elba Siqueira de Sá; MITRULIS, Eleny. Trajetória e desafios dos ciclos escolares no país. Estudos avançados/USP, v.15, n. 42, p. 103-140, maio/agosto 2001. BARRETO, Elba Siqueira de Sá; SOUZA, Sandra Zákia. Estudos sobre ciclos e progressão escolar no Brasil: uma revisão. Revista educação e pesquisa. São Paulo, v. 30, n.º 01, p. 11-30, jan/abr, 2004. BITTAR, Mariluce; OLIVEIRA, João Ferreira de (Orgs.). Gestão e políticas de educação. Rio de Janeiro: Editora DP&A, 2004. BOAVENTURA, Edivaldo Machado. O Regime federativo e os sistemas de educação v.1, n.3. Rio de Janeiro: Editora Ensaio, 1994. BRANDÃO, Carlos da Fonseca. LDB passo a passo. São Paulo: Editora Avercamp, 2007. BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental – Brasília. MEC/SEF, 1997. BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1988. BRASIL. Lei nº 11.114 de 16 de maio de 2005. BRASIL. Lei nº 11.274 de 6 de fevereiro de 2006. CAMPOS, Alexandre. Escola ciclada. Cuiabá: KCM Editora, 2008. CARVALHO, Rosita Edler. Educação inclusiva: com os pingos nos “is”. Porto Alegre: Editora Mediação, 2004. CASEIRO, Luiz Carlos. Formulação, implementação e avaliação de políticas públicas em educação: algumas considerações. In SILVA, J.M. da (Org.) Os educadores e o cotidiano escolar. Campinas, SP: 2000, p. 47-66. CASTRO, Amélia Americano Domingues de. Orientações Didáticas na Lei de Diretrizes e Bases. Cap. 8. In: Estrutura e funcionamento da educação básica – leituras. João Gualberto de Carvalho Meneses, et al. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004. CASTRO, Maria Helena Guimarães de. Educação para o século XXI: o desafio da qualidade e da equidade. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 1999. CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Editora Cortez, 2006. CHRISPINO, Álvaro. Binóculo ou luneta: os conceitos de política pública e ideologia e seus impactos na educação. Revista brasileira de política e administração da educação. Rio de Janeiro, v. 21, nº. 1 e 2, p. 61-90, jan./dez. 2005. CUIABÁ. Secretaria Municipal de Educação de Cuiabá. Diretoria de Ensino e Pesquisa. Implantação dos ciclos de formação nas escolas municipais de Cuiabá: documento preliminar/coordenação: Noelci L.B. Nakatani. Cuiabá, 1998 CUIABÁ. Secretaria Municipal de Educação de Cuiabá. Diretoria de Ensino e Pesquisa. Escola Sarã: um novo contexto político-pedagógico para as escolas municipais de Cuiabá. Cuiabá, 1999. CUIABÁ. Secretaria Municipal de Educação de Cuiabá. Diretoria de Ensino e Pesquisa. Escola Sarã: Cuiabá nos ciclos de formação. Cuiabá, 2000. CUNHA, Edite de Penha; CUNHA, Eleonora Schettini Martins. Políticas públicas e sociais. In: CARVALHO, Alysson; SALLES, Fátima (Orgs.). Políticas públicas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002. DEMO, Pedro. ABC Iniciação à competência reconstrutiva do professor básico. Campinas: Editora Papirus, 1995. _______. A nova LDB: ranços e avanços. Campinas: Editora Papirus, 1997. DUROZOI, Gerard; ROUSSEL, André. Dicionário de filosofia. Tradução de Maria de Fátima de Sá Correia. Porto: Porto Editora Ltda, 2000. DUSSEL, Enrique. Ética da libertação: na idade da globalização e da exclusão. Petrópolis: Editora Vozes, 2000. FERNANDES, Antônio Sérgio. Política Pública: definição, evolução e o caso brasileiro na política social. In. JUNIOR, José Paulo Martins; DANTAS, Humberto (Orgs.). Introdução à Política Brasileira. São Paulo: Editora Paulus, 2007. FERNANDES, Claudia de Oliveira. A escolaridade em ciclos: a escola sob uma nova lógica. Cadernos de pesquisa, Campinas: Editora Autores Associados, vol. 35, n.º 124, p. 57-82, jan/abr, 2005. FERRÃO, Maria Eugênia; BELTRÃO, Kaizô Iwakami; SANTOS, Denis Paulo dos. Impacto das políticas de não-repetência no desempenho acadêmico dos alunos da 4ª série: modelagem multinível. Relatório de Pesquisa, Rio de Janeiro: Departamento de Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2002. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1986. FRANCO, Creso. Ciclos e letramento na fase inicial do ensino fundamental. Revista brasileira de educação, Campinas: Editora Autores Associados, n.º 25, p. 30-38, jan/abr, 2004. FRANCO, Maria Laura Puglisi Barbosa. Análise do conteúdo. Brasília: Editora Líber Livro, 2007. FREIRE, Paulo. A Pedagogia da esperança; um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1992. _______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Editora Paz e Terra. 1996. FREITAS, Luiz Carlos de. A Internalização da Exclusão. Educação e sociedade, Campinas, v.23, n. 80, setembro/2002. _______. Ciclos, seriação e avaliação – confronto de lógicas. São Paulo: Moderna, 2003. _______. A avaliação e as reformas dos anos de 1990: novas formas de exclusão, velhas formas de subordinação. Educação e sociedade, Campinas, v. 25, n.º 86, p. 133-170, abril 2004. GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Editora Atlas, 2006. GOMES, Cândido Alberto. Dos Valores Proclamados aos Valores Vividos. Cadernos UNESCO Brasil: Série educação, Brasília, n.º 7. 2001. _______. Quinze anos de ciclos no ensino fundamental: um balanço das pesquisas sobre a sua implantação. Revista brasileira de educação, Campinas: Editora Autores Associados, n.º 25, p. 39-52, jan/abr, 2004. _______. Desseriação Escolar: alternativa para o sucesso? Ensaio: avaliação de políticas públicas em educação, Rio de Janeiro, v. 13, p. 11-38, jan/mar, 2005. HOFFMANN, Jussara. Avaliar para promover: as setas do caminho. Porto Alegre: Mediação, 2006. INEP. O desafio de uma educação de qualidade para todos: educação no Brasil – 1999-2000. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Brasília: INEP, 2004. LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2006. MACHADO, Edileine Vieira; MACHADO, Andréia Vieira. Saúde e educação: uma prática multidisciplinar em busca de espaços inclusivos. In: Leda Virgínia Alves Moreira; Margarete May Berkenbrock Rosito (Org.). O sujeito na educação e saúde: desafios na contemporaneidade. 1ª Ed. São Paulo: Centro Universitário São Camilo; Edições Loyola, 2007. MACHADO, Edileine Vieira (Org.). Diálogos com o professor sobre inclusão: fatos e histórias. São Paulo: Editora LGE, 2008. _______. Editorial - Das legislações internacionais, políticas públicas de educação e inclusão social à formação de professores e às práticas inclusivas. Revista @ambienteeducação. São Paulo: Unicid. 2009. _______. A Formação do Sujeito como Ser de Relações. Notandum Libro, 12. São Paulo: CEMOROC/FeUS; Universidade do Porto, 2009a. _______. Algumas condições do discurso acadêmico para que se leve em conta o tema da inclusão. In Lauand, Jean (Org.). Filosofia e educação: estudos 16. Factash Editora, 2009b. MAINARDES. Jefferson. Reinterpretando os ciclos de aprendizagem. São Paulo: Editora Cortez, 2007. _______. Organização da escolaridade em ciclos no Brasil: revisão da literatura e perspectivas para a pesquisa. Educação e pesquisa, São Paulo, v. 32, n.1, p. 11-30, jan./abr. 2006. MANIFESTO dos Pioneiros da Educação Nova (1932): A reconstrução educacional no Brasil – ao povo e ao governo. Disponível em: http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/heb07a.htm> Acesso em: 20 jun. 2008. MARTINS, José de Souza. Exclusão social e a nova desigualdade. 2ª. ed. São Paulo, Paulus, 2003. MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. O princípio ético do bem comum e a concepção jurídica do interesse público. Revista Jurídica Virtual. Brasília, vol. 2, n.13, junho/2000. Disponível em: <http: //www.planalto.gov.br/ccivil_03:revista/ Rev_13/princ-etico.htm>. Acesso em: 17 abr.2010. MENESES, João Gualberto de Carvalho, et al. Estrutura e funcionamento da educação básica – Leituras. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004. MICHELS, Maria Helena. Gestão, formação docente e inclusão: eixos da reforma educacional brasileira que atribuem contornos à organização escolar. In: Revista brasileira de educação. Campinas: Editora Autores Associados, v. 11, nº. 33, p. 406-423, set./dez. 2006. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira. SAEB-2005 primeiros resultados: médias de desempenho do SAEB/2005 em perspectiva comparada. Brasília: MEC/INEP, fevereiro de 2007. Disponível em: <http. //www.inep.gov.br/básica>. Acesso em: 2 abr.2007. MITTLER, Peter. Educação inclusiva – contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003. PALMA FILHO, João Cardoso; DURAN, Maria Claret Geraes; ALVES, Maria Leila. Ciclo Básico em São Paulo – memórias da educação nos anos 1980. 1ª ed. São Paulo: Xamã Editora, 2003. _______. Vinte anos da política do ciclo básico na rede estadual. Cadernos de pesquisa (Fundação Carlos Chagas), v. 35, p.83-112, 2005. PEREIRA, Acácio Potiguara. O que é pesquisa em educação? São Paulo: Editora Paulus, 2005. PERRENOUD, Philippe. Os ciclos de aprendizagem: um caminho para combater o fracasso escolar. Trad. Patrícia Chittoni Ramos Reuillard. – Porto Alegre: Artmed, 2004. POLETTI, Ronaldo. Introdução ao direito. São Paulo: Saraiva, 1991. PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA REFORMA EDUCATIVA NA AMÉRICA LATINA E CARIBE. Quantidade sem qualidade. Um boletim da educação na América Latina. Relatório do Conselho Consultivo do PREAL, 2006. RIBEIRO, Marlene. Exclusão: problematização do conceito. Educação e pesquisa, São Paulo, V. 25, n. 01, p. 35-49, jan/jun, 1999. _______. Exclusão e educação social: conceitos em superfície e fundo. Educação e sociedade, Campinas, V. 27, n. 94, p. 155-178, jan/abr, 2006. ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da educação no Brasil. Petrópolis: Editora Vozes, 1999. SAMPAIO, Maria das Mercês Ferreira (Org.). O cotidiano escolar face às políticas educacionais. Araraquara: JM Editora. 2002. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Ciclo Básico. São Paulo, SE/CENP, 1988. SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. Campinas: Editora Autores Associados. 1995. SEVERINO, Antonio Joaquim. Os embates da cidadania: ensaio de uma abordagem filosófica da nova LDB. In: BRZEZINSKI, Iria (Org.). LDB interpretada: Diversos olhares se entrecruzam. São Paulo: Editora Cortez, 2002. SILVA, De Plácido e. Vocabulário jurídico. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2007. SILVA, Jair Militão da. A consideração da dignidade humana como critério de formulação de políticas públicas. In. MARCÍLIO, Maria Luiza; PUSSOLI, Lafaiete (Coords.). Cultura dos direitos humanos. São Paulo: LTr, 1998, p.194-198. _______. Os educadores e o cotidiano escolar. Campinas: Papirus Editora, 2000. _______. Demanda passiva e equidade em educação: um desafio para os educadores democratas. Revista Renascença de ensino e pesquisa. São Paulo, n. 3, p. 9-11, jan./jul. 2001. _______. (Org.). Como fazer trabalho comunitário? São Paulo: Editora Paulus, 2003. _______. A autonomia da escola pública. Campinas: Papirus Editora, 2006. SILVA, Jair Militão da (Coord.); MACHADO, Edileine Vieira; REZENDE, Flávia Amaral. Ler ouvir e compreender com as tecnologias da informação (TIC) na perspectiva de inclusão (da pessoa com deficiência visual). Brasília: LGE, 2008. SILVA, Rose Neubauer. Analfabetismo e subescolarização: ainda um desafio. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1990. _______. Quem tem medo da progressão continuada? Ou melhor, a quem interessa o sistema de reprovação e exclusão social? Acesso: revista de educação e informática. São Paulo, v. 10, nº. 14, dez. 2000. SOUSA, Sandra Zákia. Avaliação, ciclos e qualidade do Ensino Fundamental: uma relação a ser construída. Revista de estudos avançados, São Paulo, USP, v. 21, n.º 60, p. 27-44, 2007. SOUZA, Paulo Nathanael Pereira de; SILVA, Euribes Brito da. Como entender e aplicar a nova LDB: lei n.º 9394/96. São Paulo: Editora Pioneira, 1997. TEIXEIRA, Anísio. Educação não é privilégio. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1957. VALORI, Paolo. Valor Moral. In: COMPAGNONI, Francesco; PRIVITERA, Salvatore; PIANA, Giovani. Dicionário de Teologia Moral. São Paulo, Paulus, 1997. VASCONCELOS, Celso dos Santos. Ciclos de Formação: um horizonte libertador para a escola no 3º milênio. Revista de educação AEC, Brasília, v. 28, nº 111, p. 83-95, 1999.pt_BR
Aparece nas coleções:Mestrado Acadêmico em Educação

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
dissertacao_Arlete de Fatma (1).pdf392.47 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.