Repositório Institucional UNICID Campus Tatuapé Dissertações Mestrado Acadêmico em Educação
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.cruzeirodosul.edu.br/jspui/handle/123456789/226
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorLima Junior, Celso-
dc.date.accessioned2019-11-22T22:12:04Z-
dc.date.available2012-08-25-
dc.date.available2019-11-22T22:12:04Z-
dc.date.issued2012-08-14-
dc.identifier.citationLIMA JUNIOR, Celso. O Princípio do pluralismo de ideias e concepções pedagógicas na interpretação e aplicação do Direito de educacional. 2012. 102 f. São Paulo: Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Cidade de São Paulo. São Paulo. 2012.pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.cruzeirodosul.edu.br/handle/123456789/226-
dc.description.abstractThis research focuses on the principle of pluralism of ideas and pedagogical conceptions set forth in the subsection III of article 206 of Brazilian Federal Constitution of 1988 and also in the subsection III of article 3rd of Brazilian National Educational Act (Law n. 9384/1996). The interest on the theme comes from my experience as legal counselor of the Brazilian Waldorf Schools Federation, that made me face the greatest legal-educational challenge of my life, that is, how to keep intact the founding of a certain pedagogical conception when a change in the National Educational Act comes to cause changes in such founding. From this reality emerges the problem of this research: to verify if the constitutional principle of pluralism of ideas and pedagogical conceptions is able to preserve a pedagogical founding against a change in the Law that is fully contrary to the maintenance of these founding. That is, if the principle of pluralism of ideas and pedagogical conceptions is a constitutional principle able to preserve the founding of the Waldorf Pedagogy as it has been institutionalized in country since 1955 even against legal changes on the National Educational Act by acts n.11.114/2005 and 11.274/2006, that altered elementary school period from 8 to 9 years and turned obligatory to ingress in school at the age of 6 (instead of 7, as set forth before). The methodology refers to a qualitative research, of phenomenological nature. There were used as methodological procedures bibliographical and documental research as well as a case study. The theoretical reference is made upon known authors both in educational and legal areas. The final considerations seek to make evident that the legal imposition of ingress in the elementary school of children under 7 years old creates a breach both in the Waldorf Pedagogy and in the validity of the constitutional principle of pluralism of ideas and pedagogical conceptions, causing contradiction to the harmonic system of directives and bases of Education. In consequence Public Policies on Education will only be valid when observe the constitutional principles that inform, rule and interpret the Educational Law and also the guidelines and bases for national educationpt_BR
dc.description.sponsorshipAgência 1pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Cidade de São Paulopt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectPolíticas públicas de educaçãopt_BR
dc.subjectO princípio do pluralismo de ideias e concepções pedagógicaspt_BR
dc.subjectInterpretação e aplicação do direito educacionalpt_BR
dc.subjectPedagogia Waldorfpt_BR
dc.titleO princípio do pluralismo de ideias e concepções pedagógicas na interpretação e aplicação do direito educacionalpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.creator.ID14337296875pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/2290279791353243pt_BR
dc.contributor.advisor1Meneses, João Gualberto de Carvalho-
dc.contributor.advisor1ID02176211864pt_BR
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/2290279791353243pt_BR
dc.description.resumoEssa pesquisa aborda o tema do princípio do pluralismo de ideias e concepções pedagógicas previsto no inciso III do artigo 206 da Constituição Federal de 1.988 e no inciso III do artigo 3º da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (lei 9394/96). O interesse pelo tema emerge da minha experiência como consultor jurídico na Federação das Escolas Waldorf do Brasil, que me fez vivenciar o enfrentamento do maior desafio jurídico-educacional da minha vida, ou seja, como preservar intactos os fundamentos de uma determinada concepção pedagógica frente às mudanças na legislação que colidem com a referida pedagogia. Dessa realidade surge o problema da pesquisa: verificar se o princípio constitucional do pluralismo de ideias e concepções pedagógicas serve de sustentação jurídica a uma determinada proposta pedagógica, frente às alterações posteriores na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional que contrariam pressupostos da referida proposta pedagógica? O objeto de estudo se refere ao princípio do pluralismo de ideias e concepções pedagógicas, previsto no inciso III do art. 206 da Constituição da República Federativa do Brasil promulgada em 05 de outubro de 1988 e previsto no inciso III do artigo 3º da Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Tem-se como hipótese: a aplicação do princípio do pluralismo de ideias e concepções pedagógicas é fundamento para a preservação da Pedagogia Waldorf tal como instituída e em vigor no país desde 1955 mesmo diante das alterações sofridas na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional pelas Leis nº 11.114/05 e Lei nº 11.274/06 que ampliaram o ensino fundamental para 09(nove) anos e tornaram obrigatória a matrícula no ensino fundamental aos seis anos de idade? A metodologia diz respeito à pesquisa qualitativa, de natureza fenomenológica e como procedimentos metodológicos foram utilizados: a pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e estudo de caso. Utilizou-se, no referencial teórico, autores renomados da área da educação e do direito. As considerações finais evidenciam que, ao pretender instituir data de ingresso no ensino fundamental que cria inegável ruptura na Pedagogia Waldorf, além do desrespeito ao princípio constitucional do pluralismo de ideias e concepções pedagógicas, há flagrante afronta a todo o conjunto harmônico de diretrizes e bases da educação. Consequentemente, as Políticas Públicas de Educação somente serão válidas se, e quando, respeitarem os princípios constitucionais informadores, normativos e interpretativos que compõem o Direito Educacional e também as diretrizes e bases da educação nacionalpt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentDepartamento 1pt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós Graduação Mestrado Educaçãopt_BR
dc.publisher.initialsUNICIDpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO::PLANEJAMENTO E AVALIACAO EDUCACIONAL::AVALIACAO DE SISTEMAS, INSTITUICOES, PLANOS E PROGRAMAS EDUCACIONAISpt_BR
dc.relation.referencesALMEIDA, Fábio Portela Lopes de Almeida. Os princípios constitucionais entre deontologia e axiologia: pressupostos para uma teoria hermenêutica democrática. In: Revista Direito GV. vol.4 n. 2 São Paulo July/Dec. 2008. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1808-24322008000200007. Acesso em: 12 jul 2012. ANDRADE, Cássio Cavalcante. Direito Educacional. Interpretação do Direito Constitucional à Educação. Belo Horizonte: Fórum, 2010. ANDRADE, Marcelo. Sobre o Pluralismo, Verdade e Tolerância: Diálogos Epistemológicos e Éticos para uma Educação Intercultural. In: Revista Educação &. Sociedade. vol.32 n.117 Campinas out./dez. 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302011000400011. Acesso em: 12 jul 2012. ÁVILA, Humberto. A distinção entre princípios e regras e a redefinição do dever de proporcionalidade. In: Revista Diálogo Jurídico. Ano I – vol. I – n º. 4 – julho de 2001 – Salvador – Bahia – Brasil. Disponível em: http://www.direitopublico.com.br/revistas/10302806/dialogo-juridico-04-julho-2001-humberto-avila.pdf. Acesso em: 16 jun 2012. AZANHA, José Mário Pires. Proposta pedagógica e autonomia da escola. In: A Escola de Cara Nova. Planejamento. São Paulo: SE/CENP, 2000. BACH Junior, Jonas. A Pedagogia Waldorf como educação para a liberdade: reflexões a partir de um possível diálogo entre Paulo Freire e Rudolf Steiner / 2012. [Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade Federal do Paraná – Curitiba], 2012. BARROS, Roque Spencer Maciel de. Fundamentos da Educação. In MENESES, J.G. de C. et al. Educação Básica: Políticas, Legislação e Gestão. São Paulo; Pioneira Thomson Learning, 2004. BOAVENTURA, Edivaldo Machado. A Educação Brasileira e o Direito. Belo Horizonte: Nova Alvorada, 1997. BRANCATO, Ricardo Teixeira. Instituições de direito público e de direito privado. 13ª ed. São Paulo: Saraiva, 2009. BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 2005. (Coleção primeiros passos; 20). _____________. LDB passo a passo: Lei de diretrizes e base da educação nacional, Lei nº 9394/96 comentada e interpretada, artigo por artigo. 4ª ed. São Paulo: Avercamp, 2010. BULOS, Uadi Lammêgo. Constituição Federal anotada. 6ª ed. São Paulo: Saraiva, 2005. CARNEIRO, Moaci Alves. LDB fácil: leitura crítico-compreensiva, artigo a artigo. 17ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. CASSAR, Vólia Bomfim. Direito do Trabalho. 4ªed. Niterói-RJ: Impetus, 2010. CASTRO, Marcelo Lúcio Ottoni de. Brasília: André Quicé Editor, 1998. CATÃO, Francisco, A Educação no Mundo Pluralista: por uma educação da liberdade. São Paulo: Paulinas, 1993. DELGADO, Maurício Godinho Delgado. Princípios de Direito Individual e Coletivo do Trabalho. 3ª ed. São Paulo: Ltr, 2010. DI DIO, Renato Alberto Teodoro. Contribuição à sistematização do Direito Educacional. Taubaté-SP: Imprensa Universitária, 1982. FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. Introdução ao estudo do direito: técnica, decisão, dominação. 4ªed. São Paulo: Atlas, 2003. GALUPPO, Marcelo Campos. Os princípios jurídicos no Estado Democrático de Direito: ensaio sobre o modo de sua aplicação. Revista de Informação Legislativa, Brasília, a. 36 n. 143 jul./set.1999, p.195. GARCIA, Maria. Competência Legislativa. In. PEREIRA, Antonio Jorge da Silva et AL (coord.). Direito Educacional: Aspectos Práticos e Jurídicos. São Paulo: Quartier Latin, 2008. GOLDSCHMIDT, Rodrigo. O princípio da proporcionalidade no Direito Educacional. Passo Fundo: UPF, 2003. GRAU, Eros Roberto. A Ordem Econômica na Constituição de 1988. Interpretação e Crítica. São Paulo: Malheiros, 1998. JOAQUIM, Nelson. Direito Educacional Brasileiro História. Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Livre Expressão, 2009. KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. São Paulo: Martins Fontes, 1985. LARENZ, Karl. Metodologia da Ciência do Direito. Tradução de José Lamego. 3ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997. LELLIS, Lélio Maximino Lellis. Princípios Constitucionais do Ensino. São Paulo: Lexia, 2011. LIMA, Francisco Meton Marques de Lima. Os Princípios de Direito do Trabalho na Lei e na Jurisprudência. 2ª ed.São Paulo: Ltr, 1997. LIMA, Telma Cristiane Sasso; MIOTO, Regina Célia Tamso. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. In Rev. Katál. Florianópolis v. 10 n. esp. p. 37-45, 2007 LOPES, Mauricio Antonio Ribeiro Lopes. Comentários à Lei de Diretrizes e Bases da Educação: Lei 9.394, de 20.12.1996: jurisprudência sobre educação. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999. LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagem qualitativa. São Paulo: EPU, 1986. MACEDO, Paulo César Machado de Macedo. A Pedagogia Waldorf e o Pluralismo de Concepções Pedagógicas. São Paulo: Scortecci, 2007. MARTINEZ, Vladimir Novaes. Princípios de Direito Previdenciário. 5ª ed. São Paulo: LTr, 2011. MARTINS, Sergio Pinto. O Pluralismo do Direito do Trabalho. São Paulo: Atlas, 2001. __________. Direito da Seguridade Social. 28ª ed. São Paulo: Atlas, 2009. MASTRODI, Josué. Direitos Sociais Fundamentais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008. MAZZOTTI, Marcelo. As escolas e os métodos de interpretação da lei. Barueri, SP: Minha Editora, 2010. MENDES, Gilmar Ferreira; COELHO, Inocêncio Mártires; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2007. MENESES, João Gualberto de Carvalho. Direito da Educação. In FRANÇA, R. Limongi (coord.). v.26 Enciclopédia Saraiva do Direito. São Paulo: Saraiva, 1979. __________. Educação e Cultura na Constituição Brasileira. In. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos -.v.65 n. 151 set./dez 1984. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. MESSEDER, Hamurabi, LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei nº 9.394/1996 com mais de 500 questões de provas anteriores. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. (Série Provas e Concursos). MOTA, Elias de Oliveira Mota. Direito Educacional e Educação no Século XXI. UNESCO, Brasília, 1997. MUNIZ, Regina Maria Fonseca. O Direito à Educação. Rio de Janeiro: Renovar, 2002. NABUCO FILHO, José. Lei Penal deve seguir princípios elementares do Direito. In: Jornal Diário de Notícias. São Paulo. 1-4 out. 2010. NADER, Paulo. Introdução ao Estudo do Direito. 4ªed. Rio de Janeiro: Forense, 1987. NUNES, Luiz Antônio Rizzatto. Manual de introdução ao estudo de direito: com exercícios para sala de aula e lições de casa. 2ª ed. São Paulo: Saraiva, 1999. ____________. O princípio Constitucional da Dignidade da Pessoa Humana. São Paulo: Saraiva, 2002. ORESTES, Talitha Lessa. Noções de Autonomia em educação escolar: discurso acadêmico no Brasil (1978-2002). 2011. [Dissertação (Mestrado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo], 2011. OYAMA, Lurdes Keiko. Oyama. A Educação na Constituição de 1988: o processo educacional e a educação contemporânea. 2009. [Dissertação (Mestrado em Direito), Faculdade de Direito, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo], 2009. PAREYSON, L. Verdade e Interpretação. São Paulo: Martins Fontes, 2005. PEREZ, José Augusto. Introdução ao Direito Educacional. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 1991. PIERDONÁ, Zélia Luiza. Objetivos Constitucionais da Educação e sua Relação com os Fundamentos do Estado Brasileiro. In: FERREIRA, Dâmares (coord). Direito Educacional em Debate. Volume I. São Paulo: Cobra, 2004 PONTES, Alan Oliveira. O Princípio da Solidariedade Social na Interpretação do Direito da Seguridade Social. 2006. [Dissertação (Mestrado em Direito), Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo], 2006. RANIERI, Nina Beatriz. Educação Superior, Direito e Estado. São Paulo: Edusp/FAPESP, 2000. RODRIGUES, Daniel C. Pugliusi. O resgate da Justiça na Hermenêutica. Revista Prática Jurídica, Brasília, n.115, p.36-41, outubro. 2011. RODRIGUES, Américo Plá. Princípios de Direito do Trabalho. 3ªed. São Paulo: Ltr, 2002. ROSS, Alf. Direito e Justiça. 1ª ed. Bauru-SP: EDIPRO, 2003. SACCONI, Luiz Antonio. Grande Dicionário Sacconi: da língua portuguesa: comentado, crítico e enciclopédico. São Paulo: Nova Geração, 2010. SAVIANI, Dermeval. Concepção Pedagógica. sitio do Grupo de Estudos e Pesquisas “História, Sociedade e Educação no Brasil” (HISTEDBR). Disponível em:<http://www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/glossario/verb_c_concepcao_pedagogica.htm> . Acesso em: 07 de jun 2012. SILVA, Antonia Almeida Silva; SCAFF, Elisângela Alves da Silva. Ensino Fundamental de Nove Anos: política de integração ou de conformação social. In Práxis Educativa, Ponta Grossa, v.5, n.1, p. 97-107 , jan.-jun. 2010. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5212/PraxEduc.v.5i1.097107. Acesso em 12 jul 2012. SILVA, Marcos Wanderley da. Princípios Constitucionais Afetos à Educação. São Paulo: SRS, 2009. SILVA, Jair Militão da. A Autonomia da Escola Pública. 7 ed. Campinas-SP: Papirus, 2004. SILVA, Pedro Sancho. Princípios do Direito Educacional e institutos jus pedagógicos. Salvador: Projur/Uneb. 1993, (Caderno de Assuntos Jurídicos n. 7). SINGER, Paul. Poder, Política e Educação. In Revista Brasileira de Educação Jan/Fev/Mar/Abr 1996 nº 1. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/pdf/rbedu/n01/n01a02.pdf>. Acesso em: 11 de jul de 2012. SOUZA, Motauri Ciocchetti de. Direito Educacional. São Paulo: Verbatim, 2010. TARTUCE, Flávio. Manual de Direito Civil. São Paulo: Método, 2011. TORRES, Ricardo Lobo; KATAOKA, Eduardo Takemi; GALDINO, Flavio (Organizadores). TORRES, Silvia Faber (supervisora). Dicionário de Princípios Jurídicos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011. TRINDADE, André (cood.). Direito Educacional – só uma ótica sistêmica. Curitiba: Juruá, 2007. _____________. Direito Universitário e educação contemporânea. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009. STAVENHAGEN, Rodolfo. Educação para um mundo multicultural. In:DELORS, Jacques.et al. Educação um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. 10ª ed. Brasília, DF: Cortez, 2006. STEFANO, Isa Gabriela de Almeida Stefano. Tudo o que você precisa ouvir sobre Direito Educacional. Audiolivro. São Paulo: Saraiva, 2011. WINCH, Christopher; GINGEL, John. Dicionário de Filosofia da Educação. São Paulo: Contexto, 2007. ZANGRANDO, Carlos. Princípios Jurídicos do Direito do Trabalho. Individual –coletivo – processual. São Paulo: LTr, 2011. Legislação Citada Lei nº 11.114, de 16 de maio de 2005. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei nº 11.274, de 06 de fevereiro de 2006. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de outubro de 1988. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Pareceres Conselho Estadual de Educação de Minas Gerais (parecer 977/2009 aprovado em 29.9.2009). Conselho Estadual de Educação do Paraná (parecer 465/2009 aprovado em 10.11.2009). Conselho Estadual de Santa Catarina (parecer nº 353 aprovado em 06/10/2009 e parecer 476/2009 aprovado em 15.12.2009). Conselho Estadual de Educação do Estado do Mato Grosso (parecer 052/2010 aprovado em 25.02.2010). Conselho Municipal de São Paulo (parecer 156/2010 aprovado em 04/03/2010). Conselho Estadual de Educação de São Paulo (parecer 440/2011 aprovado em 07/12/2011) Ofício nº 152 do Conselho Nacional de Educação, com o estudo apresentado pelo Conselheiro Francisco Aparecido Cordão de 09 de dezembro de 2011. Resoluções do Conselho Nacional de Educação nº 1, de 14 de janeiro de 2010 nº 6, de 20 de outubro de 2010 Sites Pesquisados http://houaiss.uol.com.br/busca.jhtm. Acesso em 21 nov 2010. http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra. Acesso em 21 nov 2010.pt_BR
Aparece nas coleções:Mestrado Acadêmico em Educação

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Celso Lima Junior (1).pdf774.35 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.